Your browser (Internet Explorer 7 or lower) is out of date. It has known security flaws and may not display all features of this and other websites. Learn how to update your browser.

X

Navigate / Search

    2º Workshop Internacional de Certificação Eletrônica

    Marco Antonio Bertussi, diretor da CCPU faz palestra em workshop que discute a implantação da certificação fitossanitária eletrônica.

    Porto de Roterdã - Foto: Divulgação
    Porto de Roterdã - Foto: Divulgação

    O Brasil é uma potência na produção mundial de alimentos e para dar maior agilidade nas transações comerciais entre os países que fazem parte da Convenção Internacional de Proteção Vegetal da Organização das Nações Unidas para a Agricultura (CIPV/FAO) o Governo quer ampliar as discussões sobre o uso da Certificação Eletrônica, especialmente quanto aos impactos que o atendimento dos requerimentos fitossanitários causam no comércio internacional de vegetal e seus produtos.

    Para discutir essa ferramenta, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e a FAO, com o apoio do Governo do Espírito Santo (ES), estão realizando desde o dia 19 até o dia 22 de novembro, em Vitória, o 2º Workshop Internacional de Certificação Eletrônica com presença de representantes governamentais de mais de 100 países.

    O workshop está discutindo medidas que, ao serem implementadas, darão maior agilidade ao comércio entre os países que fazem parte da FAO, quanto aos aspectos fitossanitários. A programação é bastante abrangente, com especialistas e técnicos da área discutindo questões que vão desde a utilização de um único padrão mundial para a certificação fitossanitária eletrônico, até a importância do uso da certificação para a redução do potencial de documentação fraudulenta.

    “O ministério se antecipa a essa discussão com vistas a dar maior agilidade nos seus processos. Com a certificação eletrônica, aumentaremos a segurança na transmissão das infomações entre os organismos nacionais de proteção vegetal visando a certificação fitossanitária desses produtos”

    Cósam Coutinho diretor do departamento de Sanidade Vegetal do Mapa

    Segundo Cósam Coutinho, o Governo brasileiro estuda a implantação de um projeto piloto, em parceria com o Governo holandês, para a implementação da certificação eletrônica entre os países, uma vez que mais de 70% do que o Brasil exporta para a Europa (de material vegetal) ingressa no continente pelo porto de Roterdam, na Holanda, para depois ser distribuído.

    Entre as vantagens da utilização da CE, Coutinho destaca:

    • A redução de atrasos no recebimento de substituição de Certificado Fitossanitário;
    • A maximização do investimento com base em iniciativas já em curso;
    • A redução de dados e funções de validação por ganhos de pessoal ( ONPV) do pessoal.

    Ou seja em termos de eficiência, vai melhorar a segurança na transmissão de documentação certificado (eletrônico contra papel); melhorar a logística e o planejamento para a chegada e saída de vegetais e produtos vegetais na alfândega que terão folga fitossanitárias.

    Fonte: Assessoria de Comunicação Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa)
     logo pryzant Design